fbpx

Centros de Línguas do DF: Estrutura e ampliação são discutidas em audiência pública

Na manhã desta terça-feira (28), a temática da Educação não se limitou à sessão solene em homenagem ao Dia Mundial da Educação. A Câmara Legislativa do Distrito Federal também abriu espaço para o debate sobre a implantação e as condições de funcionamento dos Centros Interescolares de Línguas do DF, os CILs, no auditório da CLDF.

A discussão vem sendo suscitada na Casa há alguns meses, principalmente dentro da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), e aborda questões como a necessidade de melhoria da infraestrutura dos CILs, o aperfeiçoamento do corpo docente, bem como a possibilidade de reabertura de vagas para o público externo.

Para o deputado e presidente da CESC, professor Reginaldo Veras, “neste processo de globalização, em que as economias mundiais estão integradas e intercâmbios culturais intensificados, é inevitável que a sociedade brasileira busque ser bi ou trilíngue”.

O parlamentar e propositor da audiência pública, Wasny de Roure (PT), concordou que a administração pública precisa descobrir a melhor forma de resolver o problema, além de tentar viabilizar possíveis parcerias com as escolas de línguas referência no contexto internacional.

A representante do Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) no âmbito de Assuntos e Políticas para Mulheres Educadoras, Vilmara Pereira dos Santos, afirmou que essa é uma “política pública que possui uma metodologia inovadora, mas é preciso avançar na luta para os Centros tenham uma estrutura mínima necessária”.

Atendimento à comunidade – Veras também foi aluno de um dos Centros de Línguas, o de Taguatinga, e lembra que eles são “um dos maiores exemplos de medidas democráticas que o Distrito Federal conseguiu criar, pois viabiliza o acesso a uma nova língua a inúmeros alunos que não têm condições de pagar um curso”, afirma.

O parlamentar acredita que, para ele, essa é uma das justificativas para a reabertura de vagas ao público externo: “Além da democratização de uma língua, o intercâmbio entre o aluno da escola pública e privada é extremamente importante dentro do processo pedagógico. Sabemos que é difícil, de uma vez só, abrir os CILs novamente, mas será uma luta minha nesses 4 anos aqui. Essa é uma das nossas propostas de campanha e nós precisamos cumprir”.

O subsecretário de Educação Básica da Secretaria de Educação do DF, Gilmar de Souza Ribeiro, elogiou a pertinência da audiência pública por criar um diálogo entre o legislativo, o executivo, os professores, diretores e demais envolvidos. Segundo ele é preciso intensificar as discussões que foram apresentadas na ocasião, como por exemplo a reabertura de vagas para a comunidade.

“Precisamos ter uma gestão que amplie esse atendimento, mas é preciso lembrar que o compromisso principal é com os nossos estudantes”, garantiu o subsecretário. “Não há discordância da nossa parte, mas precisamos analisar com cuidado a questão do ponto de vista legal e jurídico para, gradativamente, oferecer esse serviço à comunidade”, concluiu.

Novos CILs – Outro assunto amplamente discutido foi a construção de novos Centros de Línguas. Durante a audiência, a professora de inglês Izabela Moreira chegou a entregar um abaixo-assinado com cerca de mil assinaturas pedindo a criação de um CIL no Paranoá.

“Um dado interessante é que hoje 67% da população da cidade tem entre 15 e 24 anos, então nós precisamos ampliar as possibilidades educacionais e culturais desse público jovem, trabalhador e interessado”, destaca Izabela.

Ensino de excelência – A qualidade do ensino nos CILs foi destacada por inúmeros alunos, professores e convidados presentes. A representante da Embaixada da França, Lucile Bruand Exner, destacou a importância e qualidade do trabalho desenvolvido nos Centros e atribuiu o sucesso à dedicação dos servidores. Lucile ponderou que, infelizmente, o trabalho desenvolvido nos espaços ainda não possui visibilidade em âmbito nacional visto que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) não inclui os CILs nas estatísticas.

Leonardo de Souza, estudante do CIL do Gama, utilizou a tribuna para expor a importância do curso para a sua formação pessoal e profissional. Ele contou que, na universidade, ele se destaca entre os colegas pela fluência na língua inglesa. “O governo, além de dar oportunidade do jovem fazer um curso superior, deveria oferecer ainda um curso de língua estrangeira ao estudante universitário”, opina.

Fotos: Anna Cléa Maduro

Encaminhamentos – Ao final da audiência pública o subsecretário de Educação Básica, Gilmar de Souza, lembrou da necessidade de prosseguir com as mobilizações. “Sabemos das limitações mas precisamos equacionar para garantir as melhorias”, afirmou.

A fim de dar continuidade às discussões suscitadas na audiência, os deputados Wasny de Roure, Israel Batista e Prof. Reginaldo Veras irão lançar uma frente parlamentar de apoio aos CILs. O lançamento será divulgado pelos parlamentares.

Anna Cléa Maduro (Assessoria de Imprensa)

Sobre Anna Cléa Maduro

Anna Cléa Maduro
Jornalista e fotógrafa. Assessora atualmente o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT).

Veja também

Presidente da Novacap recebe moradores do Gama e de Planaltina

Compartilhar via WhatsAppNa última quinta-feira (23), o presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade