fbpx

Segurança pública no perímetro das escolas do DF é tema de debate

Não há dados estatísticos precisos, mas é fato que uma onda de violência tem afetado as escolas, públicas e privadas, do Distrito Federal nas últimas décadas. O ambiente que era tido como seguro passou a ser encarado como um local que inspira medo e gera insegurança.

Buscando discutir o tema e encontrar soluções para a problemática, a Câmara Legislativa, por iniciativa do deputado Reginaldo Veras (PDT), professor há mais de vinte anos, realizará audiência pública na próxima sexta-feira (22), às 15h, no plenário da Casa.

Não há dados estatísticos precisos, mas é fato que uma onda de violência tem afetado as escolas, públicas e privadas, do Distrito Federal nas últimas décadas. O ambiente que era tido como seguro passou a ser encarado como um local que inspira medo e gera insegurança.

Buscando discutir o tema e encontrar soluções para a problemática, a Câmara Legislativa, por iniciativa do deputado Reginaldo Veras (PDT), professor há mais de vinte anos, realizará audiência pública na próxima sexta-feira (22), às 15h, no plenário da Casa.

O intuito da discussão é primeiro tentar fazer um diagnóstico do fenômeno da violência no perímetro das escolas do Distrito Federal, em seguida apresentar mecanismos que possibilitem tanto ao poder público, como a comunidade escolar promover e monitorar ações preventivas nas escolas.

Foram convidados para enriquecer o debate o secretário de Educação, Júlio Gregório; o Secretário de Segurança Pública, Arthur Trindade; o Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Florisvaldo Ferreira César; o Comandante do Batalhão Escolar do DF, Tenente Coronel Júlio César Lima de Oliveira, além de representantes do Sindicato dos Professores do DF (SINPRO-DF), do Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (SINPROEP-DF), da Associação de Pais e Alunos (ASPA), da Promotoria de Defesa da Educação (PROEDUC), e interessados na temática.

Violência nas escolas do DF – A falta de segurança tanto no interior como nos arredores das escolas no Distrito Federal tem contribuído para vários problemas educacionais como a evasão escolar. Além de afetar diretamente o desempenho dos alunos, prejudica o trabalho dos professores e profissionais da educação.

Dentro das escolas a violência pode se manifestar na forma de violência física, simbólica e institucional. Os alunos geralmente praticam mais a violência física e verbal entre os colegas e também com os professores, incluindo agressões verbais, físicas com ou sem lesão e ainda ameaças. Eles também, em alguns casos dependendo do porte da escola, da cidade e região em que se encontra, praticam violência contra o patrimônio público da escola, pichando paredes, destruindo banheiros, quebrando vidros e outros danos.

Mas além da violência que acontece nas dependências da escola, é preciso ressaltar a necessidade de se discutir e desenvolver métodos eficazes para lidar com a violência que ocorre ao longo do perímetro escolar. Furtos, roubos, tráfico de drogas, violência sexual, são alguns tipos de atos que vitimizam educandos, docentes e a comunidade escolar.

Desde o início de 2015 pelo menos uma morte e 11 agressões já foram registradas em unidades de ensino do DF. No último dia 6 de abril, uma professora, cerca de vinte alunos e um porteiro do Centro de Ensino Fundamental 1 da Estrutural foram agredidos por um homem. Segundo o relato de policiais militares, o desconhecido entrou no CEF durante o intervalo das aulas e começou a série de agressões. Com a ajuda de funcionários da escola a PM conseguiu prender o agressor em flagrante. A professora foi levada para o Hospital de Base com suspeita de fratura na perna.

Poucos dias antes, no dia 25 de março, Diego Henrique Vicente Silva, 20 anos, foi assassinado a tiros dentro do Centro Educacional 6, em Taguatinga. A época, a hipótese da polícia era que o crime tenha ocorrido por uma briga entre gangues.

Ano passado durante uma briga em frente a uma unidade de ensino na Ceilândia deixou uma garota ferida no braço. A agressora teria usado estilete para ferir a colega. Outro episódio violento ocorreu numa tradicional escola da Asa Sul em 28 de fevereiro de 2014. Um adolescente foi baleado no pátio do Caseb, na 908 Sul. Tanto a vítima, como o jovem que efetuou o disparo eram alunos do colégio.

Outro caso emblemático foi o assassinato do então diretor do Centro de Ensino Fundamental nº 4 do Lago Oeste, Carlos Mota, de 44 anos. Ele foi assassinado na própria casa, em uma chácara da região, em 20 de junho de 2008. De acordo com a polícia o homicídio foi motivado por uma discussão entre ele e Gilson de Oliveira, 31 anos, que teria ido ao colégio para cobrar dívidas de drogas de estudantes.

Batalhão Escolar – Preocupada com o aumento da violência nas escolas, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) começou em 1988 a formar policiais para compor o Batalhão Escolar. Em novembro de 1989, por meio do Decreto nº 11.958 foi criado o Batalhão Escolar, com a função de “coibir e reprimir” algumas situações de violência nas escolas e oferecer maior tranquilidade e segurança à comunidade escolar.

Hoje, 420 militares se revezam no monitoramento de 1.190 unidades de ensino, entre colégios públicos e particulares. Um conjunto de ações de prevenção, repressão e de trabalho comunitário é feito para conter a onda de violência no perímetro das escolas.

Serviço:

Audiência Pública para discutir a segurança pública no perímetro das escolas do DF

Data: 22 de abril de 2015

Horário: 15h

Local: Plenário da Câmara Legislativa do DF

 

Ísis Dantas (Assessoria de Imprensa)

 

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade