fbpx

Veras defende a vedação de contingenciamento de recursos destinados à educação e ao FAC

Foto: Carlos Gandra/CLDF

O presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), deputado professor Reginaldo Veras (PDT), vem trabalhando para fortalecer as áreas de atuação da comissão. Para isso, além de debater temas ligado à educação, saúde e cultura, Veras tem procurado encaminhar soluções para os problemas que afetam as áreas.

Essa semana, em momentos distintos, o parlamentar esteve reunido com artistas, produtores culturais, educadores e gestores das educação e cultura. Após ouvir as demandas dos dois públicos, Reginaldo Veras, em conjunto com outros parlamentares, protocolou na Câmara Legislativa (CLDF) duas Propostas de Emenda à Lei Orgânica (PELOs) que vedam o contingenciamento de recursos destinados à educação e ao Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

FAC –  A primeira PELO tem por objeto alterar o parágrafo único, do art. 269-A, da Lei Orgânica do Distrito Federal. O intuito é vedar o contingenciamento ou o remanejamento dos recursos destinados ao Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC).

O parlamentar destaca que “a atual redação do dispositivo em questão já traz a vedação de contingenciamento ou o remanejamento de recursos destinados apenas ao Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente. Logo, a intenção da proposta é ampliar a vedação para que ela também se estenda ao FAC”.

Vale ressaltar que a PELO é resultado da mobilização dos artistas e produtores culturais que, no início da semana, participaram de audiência pública realizada pela CESC para debater a situação do FAC. Na ocasião, eles reivindicaram, de forma recorrente, que os recursos do Fundo fossem preservados e que houvesse uma garantia legal que vedasse o contingenciamento ou remanejamento dos recursos em questão.

Educação- Já a segunda proposta pretende alterar o § 1º do art. 241 da Lei Orgânica do Distrito Federal com a intenção de vedar o contingenciamento ou o remanejamento dos recursos destinados à educação no Distrito Federal. Trata-se de uma reivindicação antiga de educadores, diretores, gestores na área da educação.

Segundo Reginaldo Veras, que é professor há mais de duas décadas, a atual redação do dispositivo não veda de maneira expressa o contingenciamento das receitas em questão.

“A matéria visa assegurar o respeito às receitas destinadas à educação para assegurar o respeito ao núcleo essencial de tão fundamental direito do ser humano. A proposta é meritória, conveniente e oportuna, pois, a educação ainda se mostra, na prática, desrespeitada e ainda hoje a aplicação mínima da receita de imposto na área é cumprido abaixo do comando constitucional exigido, sobretudo com o contingenciamento ou o remanejamento de receitas orçamentárias a ela previstas para fins diversos”, diz. “Para que a educação não seja letra morta, é fundamental que o contingenciamento, caso necessário, se dê com despesas que não atinjam princípios sensíveis, isto é, sejam direcionados para gastos desnecessários e com luxos, mordomias ou aquisições ineficientes”, completa.

 Ísis Dantas (Assessoria de Imprensa)

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade