fbpx

Diretores terão que informar aos pais, ao Ministério Público e ao Conselho Tutelar o alto índice de faltas e a evasão escolar

Agora caberá aos diretores de escolas públicas de educação básica do Distrito Federal o dever de efetivar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) notificando os pais ou responsáveis legais dos alunos sobre faltas que alcancem metade do limite autorizado por lei.
A proposta, que é de autoria do presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), foi aprovada na noite desta terça-feira (17), em 2º turno e redação final.


Foto: Carlos Gandra/CLDF

Agora caberá aos diretores de escolas públicas de educação básica do Distrito Federal o dever de efetivar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) notificando os pais ou responsáveis legais dos alunos sobre faltas que alcancem metade do limite autorizado por lei.
A proposta, que é de autoria do presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), foi aprovada na noite desta terça-feira (17), em 2º turno e redação final.

De acordo com o projeto, atingido o limite de metade das faltas autorizadas pela LDB a que o aluno tem direito, caberá ao diretor escolar notificar os pais ou responsáveis legais para que compareçam ao estabelecimento de ensino, em até 72 horas, para que apresentem justificativas sobre a ausência dos filhos, tutelados ou curatelados.

Da notificação expedida deverão constar as medidas a que se sujeitam os responsáveis legais e os pais, no caso de abandono intelectual, na forma do art. 129 do ECA e do art. 246 do Código Penal brasileiro.

Caso os responsáveis ou os pais dos alunos faltosos, devidamente notificados, não compareçam no prazo legal será dever do diretor escolar informar o Conselho Tutelar da respectiva Região Administrativa e a Promotoria de Justiça de Defesa da Infância e da Juventude do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios sobre os fatos.

Segundo o autor da proposta, que é professor da rede pública de ensino há 22 anos, esse projeto de lei é um importante instrumento de proteção à criança e ao adolescente, visto que a Educação é o maior veículo de formação humanística e de diminuição da violência.

“O poder público não pode se omitir no dever conjunto com a família de proteger jovens em estágio de desenvolvimento físico e psíquico, os quais necessitam de acompanhamento escolar constante”, defende Reginaldo Veras.

Agora o PL segue para sanção do governador do DF.

Ísis Dantas, da Assessoria de Imprensa

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade