Início / Notícias / Saúde é maior revindicação durante sessão do Câmara em Movimento em Ceilândia

Saúde é maior revindicação durante sessão do Câmara em Movimento em Ceilândia

Foto: Silvio Abdon

O projeto Câmara em Movimento, que busca aproximar o Poder Legislativo das diversas regiões administrativas do Distrito Federal, esteve hoje (30) em Ceilândia, no campus da Universidade de Brasília (UnB-Ceilândia). Centenas de estudantes e moradores da cidade compareceram e apresentaram reivindicações aos deputados distritais e integrantes da direção da universidade.

Embora várias pessoas tenham se manifestado em favor de melhorias nas condições de acessibilidade do campus, com destaque para a construção de uma passarela para pedestres, há muito tempo aguardada pela comunidade acadêmica, o tema dominante nas falas foi a melhoria da gestão da saúde no Distrito Federal.

A professora Mariana Cruz, do curso de Saúde Coletiva da UnB, sintetizou o que muitos estudantes relataram no evento. “Muito se fala das deficiências de gestão na Secretaria de Saúde e creio que nossos estudantes têm muito a contribuir para melhorar esse quadro. A presença do profissional de saúde coletiva é fundamental se quisermos aperfeiçoar o gerenciamento do sistema, pois ele atua na base, na atenção primária”, defendeu.

O estudante Adriano Vilaça também reivindicou mais espaço para a atenção básica na saúde. “O profissional sanitarista precisa ser reconhecido como profissional de saúde, pois sua atuação se dá na prevenção de muitas doenças. Nós não queremos apenas ocupar cargos na Secretaria de Saúde, mas sim contribuir com nossos conhecimentos para melhorar o atendimento à população”, afirmou.

Para o professor João Paulo Mateus, da UnB, é possível conciliar o atendimento à população de Ceilândia com a formação de estudantes da área de saúde. “Precisamos da criação de uma clínica-escola multiprofissional em Ceilândia para fortalecer a rede de saúde na região e formar nossos alunos. É uma solução simples que integraria a universidade ao local onde está instalada”, sugeriu.

A deputada Celina Leão (PPS) explicou aos presentes que boa parte dos recursos indicados por emendas parlamentares foram utilizados para pagamento de folha de pessoal. “Não foi possível destinar a verba que consideramos necessária para o atendimento primário à saúde porque o DF estava vivendo uma crise financeira tão grande que quase 80% das emendas foram utilizadas para pagar salários de servidores”, afirmou. O deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT) complementou: “É preciso frisar que as emendas são indicadas pelos deputados, mas quem executa é o governador. A sociedade precisa cobrar do Poder Executivo a execução de emendas de seu interesse”.

Veras, que viveu em Ceilândia por muitos anos, destacou que 80% de suas emendas foram destinadas para a cidade e frisou que há um esforço coletivo por parte dos deputados de Ceilândia para que obras como o Parque do Setor O e a praça do Ferrock saiam do papel e possam melhorar a qualidade de vida da população local.

Organizações Sociais na Saúde do DF- Um tema recorrente durante as diversas manifestações que aconteceram no evento foi sobre a possibilidade de o governo do Distrito Federal implantar o sistema de Organizações Sociais (OSs) para gerir o sistema de saúde pública. Diversos alunos e professores se manifestaram contrariamente as OSs e deixaram claro que o modelo não atenderá a população de forma adequada e não resolverá o caos instalado na área.

Em março, o presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), deputado Prof. Reginaldo Veras, realizou uma audiência pública na Câmara Legislativa para tratar da questão.

O parlamentar considera que o modelo deixará a população refém das organizações. “Os Centros de Educação Infantil que recebem repasse do GDF são exemplos. Se são mal geridos, pressionam o governo para pagar os professores e a população não quer nem saber sobre questões contratuais. O governo fica obrigado a fazer aditivos. Imagina esse problema nos hospitais”, questiona.

Acessibilidade – “Desde 2012 estamos aguardando a construção de uma passarela para pedestres em frente ao campus. Já perdemos as contas de quantos atropelamentos já ocorreram aqui. Além disso, o campus também precisa de um sistema de drenagem de águas pluviais, pois quando chove é praticamente impossível transitar aqui dentro”, reclamou Bruna Oliveira, estudante da UnB.

Segurança – Outro tema levantado na sessão ordinária realizada na UnB-Ceilândia foi a falta de segurança ao redor do campus. “Hoje mesmo ocorreu um assalto em frente à universidade. Os estudantes pedem há muito tempo a criação de uma linha de ônibus para nos levar até a estação de metrô. Não é porque temos preguiça de caminhar até lá, pois não é distante, mas sim porque muitos de nós são assaltados no caminho”, relatou Fabrício Ribeiro, estudante da UnB.

Foto: Thiago Alves

Éder Wen – Coordenadoria de Comunicação Social da CLDF, com alterações

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

Professores serão homenageados na Câmara Legislativa nesta quarta-feira (23)

Compartilhar via WhatsAppOs deputados distritais Arlete Sampaio (PT), Fábio Felix (PSOL), João Cardoso (Avante), Leandro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade