fbpx
Foto: Thiago Alves

Veras repercute resultado do Ideb e cobra pacto pela educação

O presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC), deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), utilizou a tribuna na tarde desta terça-feira (13) para repercutir o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e conclamar a sociedade para que faça  um pacto pela educação.

Segundo Veras, o resultado ruim não reflete na plenitude da situação educacional no país, mas aponta para o fato de, no Brasil, a educação não ser tratada como prioridade nem pelo Estado, nem pelos Governos e o pior, nem pela sociedade.

“Precisamos de ações estruturais para que consigamos, a médio e longo prazo, mudar a realidade que se impõe hoje. Não será possível melhorar o rendimento dos nossos alunos se não ofertarmos infraestrutura adequada, merenda e professores para atender todos os estudantes”, disse.

PDAF – O parlamentar aproveitou para incentivar os colegas a destinarem recursos, através de emendas ao orçamento, para o Programa de Descentralização, Administrativa e Financeira (PDAF). Com tais recursos os diretores das escolas podem proceder com pequenas reformas e adquirir matérias de consumo que as unidades escolares precisem, de forma rápida e menos burocrática.

“Em 2016 já destinamos, através de emendas, quase R$3 milhões para o PDAF. Com esses recursos ajudamos várias escolas a realizarem pequenas reformas, como também alguns projetos pedagógicos”, falou. “ Se incrementarmos os recursos pra o programa teremos uma melhora significativa na infraestrutura das escolas, o que melhorará bastante situação das escolas públicas do DF”, concluiu.

IDEB 2015 – O Ideb é calculado a cada dois anos. Os resultados da prova foram coletados no ano passado e apontam que a situação continua ruim, principalmente no ensino médio, etapa que vai do 1º ao 3º ano (antigo colegial) ficou em 3,7 –numa escala que vai de 0 a 10. A média esperada para a etapa do ensino era de 4,3.

No Ideb 2015 apenas os anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano, antigo primário) conseguiram bater a meta (4,9) com o resultado de 5,5.

Os anos finais, do 6º ao 9º ano registraram 4,5, abaixo da meta de 4,7. A evolução em qualidade nessa etapa ficou abaixo do esperado.

Desde que o índice foi criado, os anos iniciais têm apresentado melhor desempenho, e o ensino médio tem tido mais dificuldade de avançar a qualidade.

O que é o Ideb? – Criado em 2007, o Ideb é o índice que avalia a qualidade dos ensinos fundamentais e médio em escolas públicas e privadas. A “nota” do ensino básico varia numa escala de 0 a 10. Conforme meta do MEC, o Brasil precisa alcançar até 2021 a média 6 nos anos iniciais do ensino fundamental.

O indicador é divulgado a cada dois anos e é calculado com base nos dados do Censo Escolar (com informações enviadas pelas escolas e redes), e médias de desempenho nas avaliações do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), como a Prova Brasil.

Ísis Dantas, com informações do Uol.

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade