fbpx

Veras elogia proposta que acaba com a tributação de medicamentos no Brasil

Na tarde desta quarta-feira (10) o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), utilizou a tribuna para tecer elogios à atuação do senador José Antônio Reguffe (sem partido), um dos parlamentares em que Veras busca inspiração para sua atuação política.

Lembrando que na próxima semana a proposta de emenda à Constituição (PEC 2/2015), de autoria de Reguffe, que proíbe a cobrança de impostos sobre remédios ser poderá votada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, Reginaldo Veras defendeu a aprovação da medida alegando que “há duas coisas que não deveriam ser taxadas: uma é livro – necessário ao bom desenvolvimento da educação básica e outro é remédio”.

Para Veras, Reguffe acabou criando um paradigma nessa cidade. Não é à toa que ele e outros parlamentares seguem algumas posturas adotadas historicamente pelo senador.

“Algumas pessoas criticam, dizendo que o senador Reguffe faz muito pouco. Eu discordo e acho que é essa é uma interpretação equivocada da atuação parlamentar”, diz. “Sendo do Poder Legislativo ele faz aquilo que está ao alcance do legislador, que é legislar e fiscalizar. Isso Reguffe fez muito bem como distrital, como deputado federal e faz muito bem no Senado Federal. Tenho certeza que ele continuará me inspirando na vida política. Espero que a proposta seja aprovada na CCJ e que o congresso Nacional tenha a sensibilidade da necessidade de, paulatinamente, acabar com a tributação dos medicamentos no país”, concluiu Veras.

PEC 2/2015- A relatora da proposta, senadora Simone Tebet (PMDB-MS), propôs uma forma escalonada na redução dos tributos sobre os medicamentos. Começaria com um desconto de 20% em 2018 até chegar à isenção total em 2022.

Segundo Reguffe, há famílias que gastam mais de R$ 3 mil mensais na compra de medicamentos e que cerca de 37,5% desse valor são impostos.

Para o senador, o correto seria o governo distribuir remédios gratuitamente para toda a população, mas na impossibilidade financeira do governo fazer isso, o mínimo que o Estado brasileiro devia fazer é não tributar esses medicamentos.

Com informações da Agência Senado

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade