Início / Notícias / Destaques / Apesar dos esforços, distritais barram proposta que buscava frear a militarização nas escolas
Foto: Ísis Dantas

Apesar dos esforços, distritais barram proposta que buscava frear a militarização nas escolas


Apesar dos esforços, distritais barram proposta que buscava frear a militarização nas escolas
Cinco distritais (Reginaldo Veras, Arlete Sampaio, Chico Vigilante, Fábio Félix e Leandro Grass) até tentaram, mas não conseguiram barrar a “militarização” das escolas públicas do Distrito Federal. Na tarde desta terça-feira (12), o Projeto de Decreto Legislativo nº 08, de 2019, de autoria do Dep. Leandro Grass, que suspendia a medida que teve início em quatros escolas no Distrito Federal nesta segunda-feira (11), foi derrubado ainda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Em seu parecer, pela admissibilidade do PDL 08/2019, o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), relator da matéria na CCJ, argumentou que a Portaria Conjunta nº 1/2019 – que trata da implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada, que prevê a transformação de quatro unidades específicas de ensino da rede pública do DF em Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal – foi publicada sem uma discussão aprofundada com a sociedade.

Segundo Veras, “a Lei da Gestão Democrática é clara no sentido de que as decisões pedagógicas, administrativas e financeiras devem ter a participação da comunidade escolar. Além disso, não houve nenhuma manifestação prévia do Conselho Distrital de Educação. Dessa forma, houve afronta direta à legislação vigente, e, por isso, esta norma deve ter seus efeitos imediatamente sustados”.

Ainda em sua argumentação, o parlamentar destacou que “a Portaria também contraria o Plano Distrital de Educação (PDE), o qual estabelece como diretriz, em seu art. 2°, a promoção do princípio da gestão democrática da educação pública do DF, com participação efetiva da comunidade escolar e local nos conselhos escolares”.

“A própria Lei Orgânica do Distrito Federal dispõe, no art. 244, que o Conselho de Educação do DF tem a incumbência de estabelecer normas e diretrizes para o Sistema de Ensino do Distrito Federal. Dessa forma, um ato do Poder Executivo não poderia criar um modelo híbrido escolar, com a implantação de uma gestão compartilhada, sem que o referido Conselho, órgão consultivo-normativo da Secretaria de Educação, deliberasse sobre o tema”, defendeu Veras.

Quinze parlamentares foram contra o parecer e a tramitação da matéria foi encerrada na CCJ.

Cinco distritais (Reginaldo Veras, Arlete Sampaio, Chico Vigilante, Fábio Félix e Leandro Grass) até tentaram, mas não conseguiram barrar a “militarização” das escolas públicas do Distrito Federal. Na tarde desta terça-feira (12), o Projeto de Decreto Legislativo nº 08, de 2019, de autoria do Dep. Leandro Grass, que suspendia já medida que teve início em quatros escolas no Distrito Federal nesta segunda-feira (11), foi derrubado ainda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Em seu parecer, pela admissibilidade do PDL 08/2019, o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), relator da matéria na CCJ, argumentou que a Portaria Conjunta nº 1/2019 – que trata da implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada, que prevê a transformação de quatro unidades específicas de ensino da rede pública do DF em Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal – foi publicada sem uma discussão aprofunda com a sociedade.

Segundo Veras, “a Lei da Gestão Democrática é clara no sentido de que as decisões pedagógicas, administrativas e financeiras devem ter a participação da comunidade escolar. Além disso, não houve nenhuma manifestação prévia do Conselho Distrital de Educação. Dessa forma, houve afronta direta à legislação vigente, e, por isso, esta norma deve ter seus efeitos imediatamente sustados”.

Ainda em sua argumentação, o parlamentar destacou que “a Portaria também contraria o Plano Distrital de Educação (PDE), o qual estabelece como diretriz, em seu art. 2°, a promoção do princípio da gestão democrática da educação pública do DF, com participação efetiva da comunidade escolar e local nos conselhos escolares”.

“A própria Lei Orgânica do Distrito Federal dispõe, no art. 244, que o Conselho de Educação do DF tem a incumbência de estabelecer normas e diretrizes para o Sistema de Ensino do Distrito Federal. Dessa forma, um ato do Poder Executivo não poderia criar um modelo híbrido escolar, com a implantação de uma gestão compartilhada, sem que o referido Conselho, órgão consultivo-normativo da Secretaria de Educação, deliberasse sobre o tema”, defendeu Veras.

Quinze parlamentares foram contra o parecer e a tramitação da matéria foi encerrada na CCJ.

Foto: Ísis Dantas

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

Comissão Geral debate a Política de Assistência Social no DF

Compartilhar via WhatsApp Uma política de assistência social realmente efetiva faz muita diferença na vida …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade