fbpx
Foto: Ísis Dantas

Apesar dos esforços, distritais barram proposta que buscava frear a militarização nas escolas


Apesar dos esforços, distritais barram proposta que buscava frear a militarização nas escolas
Cinco distritais (Reginaldo Veras, Arlete Sampaio, Chico Vigilante, Fábio Félix e Leandro Grass) até tentaram, mas não conseguiram barrar a “militarização” das escolas públicas do Distrito Federal. Na tarde desta terça-feira (12), o Projeto de Decreto Legislativo nº 08, de 2019, de autoria do Dep. Leandro Grass, que suspendia a medida que teve início em quatros escolas no Distrito Federal nesta segunda-feira (11), foi derrubado ainda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Em seu parecer, pela admissibilidade do PDL 08/2019, o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), relator da matéria na CCJ, argumentou que a Portaria Conjunta nº 1/2019 – que trata da implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada, que prevê a transformação de quatro unidades específicas de ensino da rede pública do DF em Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal – foi publicada sem uma discussão aprofundada com a sociedade.

Segundo Veras, “a Lei da Gestão Democrática é clara no sentido de que as decisões pedagógicas, administrativas e financeiras devem ter a participação da comunidade escolar. Além disso, não houve nenhuma manifestação prévia do Conselho Distrital de Educação. Dessa forma, houve afronta direta à legislação vigente, e, por isso, esta norma deve ter seus efeitos imediatamente sustados”.

Ainda em sua argumentação, o parlamentar destacou que “a Portaria também contraria o Plano Distrital de Educação (PDE), o qual estabelece como diretriz, em seu art. 2°, a promoção do princípio da gestão democrática da educação pública do DF, com participação efetiva da comunidade escolar e local nos conselhos escolares”.

“A própria Lei Orgânica do Distrito Federal dispõe, no art. 244, que o Conselho de Educação do DF tem a incumbência de estabelecer normas e diretrizes para o Sistema de Ensino do Distrito Federal. Dessa forma, um ato do Poder Executivo não poderia criar um modelo híbrido escolar, com a implantação de uma gestão compartilhada, sem que o referido Conselho, órgão consultivo-normativo da Secretaria de Educação, deliberasse sobre o tema”, defendeu Veras.

Quinze parlamentares foram contra o parecer e a tramitação da matéria foi encerrada na CCJ.

Cinco distritais (Reginaldo Veras, Arlete Sampaio, Chico Vigilante, Fábio Félix e Leandro Grass) até tentaram, mas não conseguiram barrar a “militarização” das escolas públicas do Distrito Federal. Na tarde desta terça-feira (12), o Projeto de Decreto Legislativo nº 08, de 2019, de autoria do Dep. Leandro Grass, que suspendia já medida que teve início em quatros escolas no Distrito Federal nesta segunda-feira (11), foi derrubado ainda na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Em seu parecer, pela admissibilidade do PDL 08/2019, o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), relator da matéria na CCJ, argumentou que a Portaria Conjunta nº 1/2019 – que trata da implementação do projeto piloto Escola de Gestão Compartilhada, que prevê a transformação de quatro unidades específicas de ensino da rede pública do DF em Colégios da Polícia Militar do Distrito Federal – foi publicada sem uma discussão aprofunda com a sociedade.

Segundo Veras, “a Lei da Gestão Democrática é clara no sentido de que as decisões pedagógicas, administrativas e financeiras devem ter a participação da comunidade escolar. Além disso, não houve nenhuma manifestação prévia do Conselho Distrital de Educação. Dessa forma, houve afronta direta à legislação vigente, e, por isso, esta norma deve ter seus efeitos imediatamente sustados”.

Ainda em sua argumentação, o parlamentar destacou que “a Portaria também contraria o Plano Distrital de Educação (PDE), o qual estabelece como diretriz, em seu art. 2°, a promoção do princípio da gestão democrática da educação pública do DF, com participação efetiva da comunidade escolar e local nos conselhos escolares”.

“A própria Lei Orgânica do Distrito Federal dispõe, no art. 244, que o Conselho de Educação do DF tem a incumbência de estabelecer normas e diretrizes para o Sistema de Ensino do Distrito Federal. Dessa forma, um ato do Poder Executivo não poderia criar um modelo híbrido escolar, com a implantação de uma gestão compartilhada, sem que o referido Conselho, órgão consultivo-normativo da Secretaria de Educação, deliberasse sobre o tema”, defendeu Veras.

Quinze parlamentares foram contra o parecer e a tramitação da matéria foi encerrada na CCJ.

Foto: Ísis Dantas

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade