fbpx
Foto: Divulgação

Veras protocola propostas para coibir a violência contra as mulheres


Por Ísis Dantas

O ano começou com números alarmantes de casos de violência contra a mulher no Distrito Federal. Só no último mês de janeiro quatro mulheres foram vítimas de feminicídio no DF, oito escaparam da morte por pouco, e outras 1.242 foram até a delegacia mais próxima pedir por socorro.

De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a cada dia do mês passado, pelo menos 40 mulheres foram subjugadas pela força de homens. A maioria deles, maridos, companheiros, namorados ou ex-parceiros.

Preocupado com o alto índice de violência contra a mulher no DF, o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT) protocolou na Câmara Legislativa um projeto de Lei que proíbe o exercício de cargo, emprego ou função pública de livre provimento por pessoa condenada por violência doméstica e familiar contra criança e adolescente, idoso e mulher.

Segundo Veras, a intenção da proposta é “preservar a probidade no exercício do cargo público”.

Conforme o texto, o indivíduo condenado na esfera penal pelas práticas de crimes que configurem violência doméstica e familiar, contra criança, adolescente, idoso e mulher, na forma da legislação penal de regência, fica proibido de ocupar cargo ou emprego público de livre provimento ou de natureza especial no Distrito Federal. Ainda de acordo com o texto, aplicando-se a condenação confirmada em segunda estância, ressalvada a decisão condenatória reformada pelas instâncias superiores do Judiciário.

 Denúncia – Outra proposta protocolada por Veras dispõe sobre a obrigatoriedade de afixação, no âmbito do Distrito Federal, de avisos com o número do Disque Denúncia de Violência contra a Mulher – Disque 180.

De acordo com o projeto, ficarão obrigados a divulgar o serviço de Disque Denúncia de Violência Contra a Mulher, hotéis, pensões, motéis, bares, restaurantes, lanchonetes, clubes sociais e recreativos, agência de viagens e locais de transporte de massa, salões de beleza, academias, postos de serviço de autoatendimento, abastecimento de veículos, prédios comerciais e ocupados por órgãos e serviços públicos, além de veículos destinados ao transporte público distrital.

Os estabelecimentos especificados deverão afixar placas com o seguinte teor: I -Violência contra a mulher: denuncie; II- Disque 180; III-Central de atendimento à mulher.

O descumprimento da obrigação contida na Lei implicará em advertência e pagamento de multa no valor de um salário mínimo por infração, dobrada a cada reincidência.

Os valores arrecadados através das multas aplicadas em decorrência ao descumprimento da legislação serão aplicados em programas de prevenção à violência contra a mulher.

Os estabelecimentos terão prazo de 90 dias após a publicação da Lei para se adaptarem às determinações.

Para Veras, “ para assegurar os direitos constitucionais à vida, à liberdade, à dignidade é fundamental que os poderes públicos distritais adotem medidas de combate à violência e fomente apoio às vítimas”.

“A divulgação do número para a denúncia fomenta a sociedade a fiscalizar a higidez a vida das mulheres em situação de risco e atua como auxílio à segurança pública”, diz.

Hoje, no Distrito Federal vítimas de violência do DF podem procurar a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), que funciona 24 horas por dia, na Asa Sul. Os telefones são 3207-6172 / 6195.

O programa de Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid), da Polícia Militar, também oferece policiamento especializado para atendimento a mulheres vítimas de violência. O telefone é 3190-5291.

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004 e estudante de Comunicação e Marketing. Ísis Dantas trabalha como assessora de imprensa na Câmara Legislativa há quase 15 anos - desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

Gestores escolares cobram aprimoramento da Lei da Gestão democrática

Compartilhar via WhatsApp Há semanas, representantes da Associação de Diretores e Ex-Diretores das Escolas Públicas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade