Início / Notícias / Destaques / Artigo: A Nova política não se faz com velhas práticas
Foto: Ísis Dantas

Artigo: A Nova política não se faz com velhas práticas

NOVA POLÍTICA NÃO SE FAZ COM VELHAS PRÁTICAS

NOVA POLÍTICA NÃO SE FAZ COM VELHAS PRÁTICASComo deputado distrital e cidadão, estou envergonhado com a potencial troca de favores entre o Governo e a Câmara dos Deputados para a aprovação da Reforma da Previdência. Recentemente, foi noticiado por inúmeros veículos de comunicação que o Governo, por meio de um Ministro de Estado, prometeu liberar R$ 40 milhões em emendas parlamentares aos deputados que votarem a favor da proposta. Isso é tão imoral que foi questionado até pelos governistas.Não se pode fazer uma nova política com as questionáveis e seculares ações dos mandatários da nação. Não adianta trocar as pessoas, se não há a renovação de ideias e atitudes.

Posted by Reginaldo VERAS on Friday, April 26, 2019

Prof. Reginaldo Veras (PDT)
Deputado distrital

Como deputado distrital e cidadão, estou envergonhado com a potencial troca de favores entre o Governo e a Câmara dos Deputados para a aprovação da Reforma da Previdência.

Recentemente, foi noticiado por inúmeros veículos de comunicação que o Governo, por meio de um Ministro de Estado, prometeu liberar R$ 40 milhões em emendas parlamentares aos deputados que votarem a favor da proposta. Isso é tão imoral que foi questionado até pelos governistas.

No atual e instável contexto político – em que a sociedade espera mudanças –, o que mais envergonha é que muitos que fazem parte desse jogo foram eleitos prometendo uma “nova política”. O que se observa, todavia, é a reprodução das velhas práticas condenadas pelo povo brasileiro.

Usar dinheiro público para fazer negociata e barganha é canalhice. É canalha quem oferta. É canalha quem recebe. É canalha quem é conivente e quem se omite.

Inquieto e insatisfeito com o que observava no cenário local e nacional, entrei na política- eleitoral, entre outras coisas, para provar que é possível fazer diferente. Há quase cinco anos, sou deputado no Distrito Federal. Durante esse período, nunca fiz barganhas nem participei de negociatas. Não me permito incoerências. Sempre votei e voto de acordo com a minha consciência e com o que julgo ser o melhor para a sociedade. Entendo que o parlamentar que troca seu voto por favores não merece o respeito do povo.

Para evitar a troca de liberação de emendas por voto a favor de projetos do Governo, alterei a Lei Orgânica do Distrito Federal, a nossa Constituição.

Consegui aprovar, no final de 2018, a Emenda à Lei Orgânica (ELO) nº 109/2018, que determina que “a execução de emendas parlamentares se dará de forma igualitária e impessoal, independentemente de sua autoria”. Isso impede o achaque, o troca-troca, a “compra de votos”.

Seria interessante que algum deputado federal ou senador apresentasse uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com conteúdo semelhante, para findar de vez a histórica, umbilical e promíscua relação entre o Governo Federal e o Congresso Nacional.

Dessa forma, observa-se que não se pode fazer uma nova política com as questionáveis e seculares ações dos mandatários da nação. Não adianta trocar as pessoas, se não há a renovação de ideias e atitudes.

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

Educação no Campo quer atenção e investimentos

Compartilhar via WhatsApp Foto: Ísis Dantas A Câmara Legislativa do Distrito Federal foi palco de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade