fbpx

Cine Brasília exibirá o Dossiê Jango

No próximo sábado (27), às 16h, o Cine Brasília exibirá gratuitamente o Documentário Dossiê Jango.  A projeção está entre as iniciativas alusivas ao 59º aniversário de Brasília. De autoria do cineasta Paulo Henrique Fontenelle, o documentário teve sua estreia em 2012, sendo produzido pelo Canal Brasil e com argumento de Paulo Mendonça e Roberto Farias. A iniciativa é uma parceria da Secretaria de Cultura do Distrito Federal e o Instituto João Goulart.

Em clima de thriller, reabre a discussão sobre o suposto assassinato de João Goulart, trazendo novas informações sobre as circunstâncias de sua morte na Argentina. Oficialmente, o ex-presidente morreu de infarto durante seu exílio político, questões enfocadas até os dias de hoje pela mídia nacional e internacional.

 A obra de Fontenelle capta depoimentos de várias personalidades tais como o filho e a viúva de Jango, amigos, jornalistas, historiadores, políticos. A trama é toda costurada como um filme de suspense e, como diz Fontenelle, “investigamos a história a fundo. Queremos reabrir essa discussão”. Os fatos presentes no início do documentário trazem os recortes históricos que antecederam ao Golpe de 64, que podem ser trabalhados como fonte de pesquisa e análise histórica.

Os temas a serem refletidos são de natureza variada, desde a eleição presidencial de Juscelino Kubitscheck tendo João Goulart como vice, a visão de um Brasil como “um país do futuro”, o cinema, o avanço tecnológico, a Bossa Nova, a Copa do Mundo, a renúncia de Jânio Quadros e tantos outros. Desde o seu exílio no Uruguai até a sua morte, existem vários argumentos e temas que podem formar uma análise crítica dos sujeitos históricos presentes no contexto apresentado pela obra de Fontenelle.

 O documentário pode ser analisado em dois momentos; na primeira metade, a mais didática, uma análise histórica, a partir de imagens e depoimentos que evidenciam fatos relevantes sobre a aliança entre civis e militares para a produção do golpe, assim como a participação dos EUA na desestabilização do governo. Na segunda parte, cabe um trabalho de origem crítica e investigativa, partindo do momento político vivido no Brasil e na América Latina.

O “Dossiê Jango” surge como uma fonte de informação, abre prerrogativas para um excelente debate, oferecendo interpretações diversificadas e instigantes sobre um período obscuro da História do Brasil, permitindo uma melhor compreensão do contexto nele envolvido, bem como, o complexo jogo político em vigor na década de 1960, que não resultou só no golpe militar, mas também no modo como a ditadura agiu nos primeiros anos de governo e nas incertezas e lacunas que ainda estão por preencher.

É um filme extremamente atual diante do debate sobre a natureza do que aconteceu após a deposição de Jango e dos anos de chumbo que estenderam por mais de 20 anos. Debate, aliás, que tem ocupado a atenção, hoje, de segmentos políticos e midiáticos de nosso país.

FICHA TÉCNICA

 Duração: 102 minutos.

Ano de Produção: 2012.

 Produção: Paulo Mendonça por Canal Brasil.

 Distribuidora: Canal Brasil.

Direção e Roteiro: Paulo Henrique Fontenelle.

Roteiro Original: Paulo Henrique Fontenelle.

Direção de fotografia: Coletivo (Bruno Corte Real, Eduardo Izquierdo, Marcelo Casacuberta, Marco Moreira, Paulo Vinícius Senise, Tota Paiva, Waldir de Pina e Wlacyra Lisboa).

Montagem: Paulo Henrique Fontenelle.

Edição Sonora: Denílson Campos.

Mixagem: Denílson Campos.

Trilha sonora orignal: Marcos Nimrichter.

Sinopse: Dossiê Jango traz à tona o conturbado período em que o ex-presidente João Goulart viveu no exílio e as nebulosas circunstâncias de sua morte. Partindo deste fato, o documentário alimenta o debate em torno da necessidade de investigação e de esclarecimento público deste período terrível de nossa História: a era das ditaduras militares latino-americanas.

 Elenco: Cacá Diegues, Carlos Heitor Cony, Flávio Tavares, Leonel Brizola, Maria Theresa Goulart, João Vicente Goular, Waldir Pires, Zelito Viana.

Finalistas: Melhor Longa–Metragem de Documentário. Melhor Montagem Documentário: Paulo Henrique Fontenelle.

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade