fbpx

Não se deve governar na base do grito!

É necessário mais que preparo intelectual, acadêmico e profissional. Exige também postura democrática e equilíbrio!

Reginaldo Veras (*)

O Brasil vive tempos difíceis. Desde o resultado do último pleito eleitoral assistimos, estupefatos, ao desmando dos representantes eleitos democraticamente, tanto no Brasil, com o presidente Jair Messias Bolsonaro (PSL), como aqui no Distrito Federal, com o governador Ibaneis Rocha (MDB).

Esses governantes têm demonstrado, em diversas ocasiões, o total despreparo para lidar com opiniões contrárias, e em outras circunstâncias evidenciam a falta de inteligência emocional e a adoção de uma postura pouco civilizada e pouco republicana, o que leva a cizânias nos ambientes de governo com graves reflexos na sociedade.

Em regimes democráticos exitosos, é usual que os eleitos governem para todos – para aqueles que votaram neles e para a outra parcela, que não referendou sua eleição. Mas o que temos assistido são governantes que atendem a alguns setores da sociedade, deixando outros à revelia, o que alimenta a perigosa radicalização e a divisão do país.

Nesse grave cenário, há disseminação do ódio, perseguição política, censura escancarada, desrespeito às opiniões divergentes e a reprodução das velhas e condenáveis práticas políticas, tais como o uso do “poder da caneta”, além do loteamento de cargos.

No DF, podemos usar como exemplo a consulta para a implantação da “gestão compartilhada” nas escolas públicas. Duas unidades de ensino rejeitaram o sistema, e mesmo assim Ibaneis Rocha resolveu implementar o modelo, desrespeitando a vontade da comunidade escolar e a portaria que regulamentava o programa. O governador, como um déspota, disse em alto e bom som que os insatisfeitos procurassem a justiça e que não toleraria “esquerdistas”.

Nesse mesmo contexto, a Câmara Legislativa foi palco de outro episódio envolvendo a militarização das escolas públicas da capital. Em reunião no Colégio de Líderes, Ibaneis, numa atitude pueril, desrespeitou e agrediu verbalmente um deputado que tentava se contrapor a ele. Faltou trato e postura republicana esperada do governante da capital do Brasil. Faltou humildade. Faltou postura de líder e sobrou postura de chefe autoritário.

O governador precisa entender que não se pode governar na base do grito. É preciso respeitar as instituições, os poderes, as ideologias, as minorias e buscar imprimir um tom conciliador, trabalhando para atender os anseios da população e não suas vontades pessoais e profissionais.

Governar exige mais que preparo intelectual, acadêmico e profissional. Exige também postura democrática e equilíbrio!

(*) Professor e deputado distrital pelo PDT-DF

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade