fbpx

Em relatório, Veras critica censura de conteúdos em escolas do DF

Assistimos a uma onda de conservadorismo pelo mundo, no Brasil, e em Brasília não é diferente. Censurar é mais fácil e mais conveniente do que educar e formar cidadãos críticos e capazes de analisar, opinar e se posicionar de forma consciente.

Na tarde de ontem (1), a Comissão de Educação Saúde e Cultura (CESC) aprovou o Projeto de Lei nº 781/2019, que “dispõe sobre a proibição da exposição de crianças, de até 12 (doze) anos, a danças que aludam à sexualização precoce nas escolas do Distrito Federal e dá outras providências”.

A proposta, da qual fui relator e proferi parecer pela rejeição, procura impor censura de conteúdos a serem trabalhados nas escolas do Distrito Federal, retirando a possibilidade de que sejam abordadas questões relativas à dança, à educação e à orientação sexual, afronta o princípio constitucional da liberdade de aprender e de ensinar, além de ameaçar interferir, indevidamente, no fazer didático-pedagógico profissional dos educadores.

Além disso, prejudica o cumprimento das diretrizes curriculares nacionais e distritais para o uso da dança, tanto nas aulas de educação artística e de educação física quanto nas atividades interdisciplinares das escolas, mediante a possibilidade de exclusão de expressões corporais que integram o patrimônio artístico e cultural imaterial do país.

O texto agride também os direitos que crianças e adolescentes, que têm a ampla e bem fundamentada educação e orientação quanto à sexualidade humana, ferindo, assim, a dignidade da pessoa humana, além de comprometer o desenvolvimento de um conteúdo curricular previsto tanto na legislação federal quanto na legislação distrital da educação e essencial à adequada preparação dos estudantes para a vida.

Reitero que essas “ditas danças pornográficas” não existem na escola. É preciso questionar. Quais são os tipos de dança consideradas pornográficas, quem regulamentará isso?

Os professores do Distrito Federal são bem formados e têm sensibilidade para combater qualquer prática que exponha a criança a questões vexatórias e que firam sua dignidade, o que é previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Por tudo isso, apresentei parecer pela REJEIÇÃO, no mérito, do Projeto de Lei nº 781/2019, no âmbito da Comissão de Educação, Saúde e Cultura.

Como professor, defensor das liberdades e da formação de cidadãos críticos e conscientes, sou contra qualquer tipo de censura. Defendo e continuarei a defender a liberdade de cátedra dos profissionais da educação; o cumprimento das diretrizes curriculares- nacionais e distritais e as expressões artísticas e culturais.

Não a censura! Não a mordaça!

A pornografia, muitas vezes, está nos olhos de quem vê, e não no que é visto.

Deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

TCDF analisa representação que pede volta de pagamento de benefício para Educadores Sociais Voluntários

Compartilhar via WhatsApp Nesta quarta-feira (24), às 15h, o Tribunal de Contas do DF (TCDF) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade