fbpx

Em relatório, Veras critica censura de conteúdos em escolas do DF

Assistimos a uma onda de conservadorismo pelo mundo, no Brasil, e em Brasília não é diferente. Censurar é mais fácil e mais conveniente do que educar e formar cidadãos críticos e capazes de analisar, opinar e se posicionar de forma consciente.

Na tarde de ontem (1), a Comissão de Educação Saúde e Cultura (CESC) aprovou o Projeto de Lei nº 781/2019, que “dispõe sobre a proibição da exposição de crianças, de até 12 (doze) anos, a danças que aludam à sexualização precoce nas escolas do Distrito Federal e dá outras providências”.

A proposta, da qual fui relator e proferi parecer pela rejeição, procura impor censura de conteúdos a serem trabalhados nas escolas do Distrito Federal, retirando a possibilidade de que sejam abordadas questões relativas à dança, à educação e à orientação sexual, afronta o princípio constitucional da liberdade de aprender e de ensinar, além de ameaçar interferir, indevidamente, no fazer didático-pedagógico profissional dos educadores.

Além disso, prejudica o cumprimento das diretrizes curriculares nacionais e distritais para o uso da dança, tanto nas aulas de educação artística e de educação física quanto nas atividades interdisciplinares das escolas, mediante a possibilidade de exclusão de expressões corporais que integram o patrimônio artístico e cultural imaterial do país.

O texto agride também os direitos que crianças e adolescentes, que têm a ampla e bem fundamentada educação e orientação quanto à sexualidade humana, ferindo, assim, a dignidade da pessoa humana, além de comprometer o desenvolvimento de um conteúdo curricular previsto tanto na legislação federal quanto na legislação distrital da educação e essencial à adequada preparação dos estudantes para a vida.

Reitero que essas “ditas danças pornográficas” não existem na escola. É preciso questionar. Quais são os tipos de dança consideradas pornográficas, quem regulamentará isso?

Os professores do Distrito Federal são bem formados e têm sensibilidade para combater qualquer prática que exponha a criança a questões vexatórias e que firam sua dignidade, o que é previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Por tudo isso, apresentei parecer pela REJEIÇÃO, no mérito, do Projeto de Lei nº 781/2019, no âmbito da Comissão de Educação, Saúde e Cultura.

Como professor, defensor das liberdades e da formação de cidadãos críticos e conscientes, sou contra qualquer tipo de censura. Defendo e continuarei a defender a liberdade de cátedra dos profissionais da educação; o cumprimento das diretrizes curriculares- nacionais e distritais e as expressões artísticas e culturais.

Não a censura! Não a mordaça!

A pornografia, muitas vezes, está nos olhos de quem vê, e não no que é visto.

Deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Sobre Ísis Dantas

Ísis Dantas
Formada em Comunicação Social/ Habilitação Jornalismo pela Universidade Católica de Brasília em 2004. Trabalha como Assessora de Imprensa na Câmara Legislativa desde 04 de setembro de 2006. Atualmente assessora o deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT), reeleito para seu segundo mandato parlamentar.

Veja também

DF terá Nota Legal Solidária

Compartilhar via WhatsApp Os deputados distritais aprovaram em primeiro e segundo turnos , na sessão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Acessibilidade